Dezembro 16 2012

No meu espírito ainda faltavam alguns minutos para concluir a corrida matinal. Eis que no torpor daqueles passos arrastados sou surpreendido por uma criança de bicicleta que levanta os braços e grita vitória.

 

Obriguei-me a despertar e logo percebi que estava ali traçada a linha de meta, mesmo sem quaisquer marcas evidentes. Olhei em redor e compreendi que aquela criança tinha conseguido a mais extraordinária recuperação, vencendo mesmo quando tudo indicava ser impossível. Sem dúvida que aquele rapaz era um herói. Tal como eu o fora na idade dele.

 

Também eu tracei metas com linha invisíveis, escolhi adversários, venci os mais temíveis em recuperações desumanas. Estive nos Pirinéus e nos Alpes mesmo enquanto contornava o quarteirão da minha rua. Encadeei-me com os flashes dos fotógrafos e resisti com uma humildade desarmante a todas as perguntas dos jornalistas.

 

Agora não, tudo é diferente. Deixei de traçar metas porque elas não se marcam onde queremos. Hoje não escolho adversários, evito-os. Estou velho, deixei-me de heroísmos. Direi apenas que abandonei a alta competição.

 

O que é curioso é que nem sempre é isso que acontece com os mais crescidos. Há ainda quem faça da sua vida uma permanente competição. O problema é que o faz sem a ingenuidade e inocência do tempo de criança.

 

E eu, perdido nesta reflexão, aproveitei o facto de estar cansado e parei logo ali a seguir à linha de meta que a criança traçou…

publicado por pontoprevio às 20:58

mais sobre mim
Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

31


pesquisar
 
blogs SAPO